mãe amorosa e filha blog infantil

Você está sempre correndo contra o tempo para chegar no horário na escola, no judô, na natação e no ballet? Seu filho reluta em entrar no banho e depois não quer sair? Não faz a lição de casa? Não come direito? Briga na escola ou com os irmãos? Nem pensa em dormir no horário certo e não acorda no dia seguinte nem por decreto? A disciplina positiva traz as ferramentas adequadas e efetivas para eliminar esses problemas sem punição ou ameaças, afinal de contas e parafraseando a autora Jane Nelsen: “De onde tiramos a ideia absurda de que para levar uma criança a agir melhor precisamos antes fazê-la se sentir pior?”.

A disciplina positiva foi desenvolvida por Jane Nelsen, educadora, terapeuta familiar, mãe de 7 filhos, avó de 22 e bisavó de 10, e é baseada na filosofia e ensinamentos de Alfred Adler e Rudolf Dreikurs.

É uma abordagem efetiva para educar as crianças e possui os seguintes conceitos básicos:

Firmeza e gentileza ao mesmo tempo

Ser gentil elimina os efeitos de ser firme demais, como insegurança, rebeldia, ressentimento e baixa autoestima, na mesma medida em que ser firme elimina os problemas de ser muito gentil, como permissividade, manipulação, mimo e autoestima prejudicada. Quando somos firmes e gentis ao mesmo tempo, conseguimos reunir todas as melhores qualidades de cada um dos estilos parentais e ensinamos as crianças a ter autocontrole, respeito, independência, confiança, saber solucionar problemas e muitas outros pontos positivos para a construção da personalidade.

Respeito mútuo

As crianças têm os mesmos direitos que os adultos a respeito e dignidade, mas isso não significa que elas podem fazer o que querem e sim que devem ser respeitadas como seres humanos.

O respeito mútuo, segundo a disciplina positiva, baseia-se em três pilares: ter fé nas suas habilidades e nas dos outros, interesse no ponto de vista dos outros tanto quanto nos nossos próprios e vontade de assumir responsabilidade e consciência pela sua própria contribuição para o problema.

Empatia

A empatia é a arte de se colocar no lugar do outro e assim entender a perspectiva/ações da outra pessoa. Tente se colocar no lugar da criança e, assim, entender o porquê do comportamento ou situação.

Foco em soluções

Quando focamos no problema normalmente formulamos consequências punitivas, mas quando focamos no que podemos fazer para solucionar o problema ou para que ele não ocorra mais junto com a criança criamos soluções úteis, razoáveis, relacionadas ao problema e respeitosas. Isso diminui as brigas por poder e faz com que os problemas desapareçam efetivamente.

Erros são ótimas oportunidades de aprendizado

Sim, errar é humano e a perfeição nunca existirá. Porém, se focarmos no que aprendemos com os nossos erros ao invés de focar no quanto aquilo foi ruim ou impróprio e acordarmos no dia seguinte dispostos a fazer melhor é o que vale!

Tempo positivo, não tome decisões de cabeça quente!

Quando estamos nervosos ou “surtados” não tomamos a melhor decisão possível para o momento, por isso a disciplina positiva ensina adultos e crianças a dar um “tempo positivo” para se acalmar antes de agir, afinal quando nos sentimos melhor podemos agir melhor.

 Aprenda a encorajar

Muitos pais sabem elogiar, mas poucos sabem encorajar. O elogio pode ser bom se usado em algumas ocasiões especiais, mas se usado de maneira repetitiva inspira dependência em relação aos outros e problemas com autoestima. O encorajamento desenvolve autoconfiança e autonomia, pois é o processo/esforço que levou ao resultado que é exaltado. Além disso, funciona em situações em que o resultado esperado tenha sido ruim, como por exemplo um mau resultado em uma prova, e auxilia a pessoa a superar e encontrar uma solução adequada para que o fato não se repita sem culpa ou vergonha.

Uma criança que está apresentando um mau comportamento está na verdade querendo dizer: “Eu só quero ser aceita, só não sei como expressar isso de uma forma adequada”, ou seja, ela está desencorajada. Quando entendemos esse “código”, podemos redirecionar a criança para acabar com o desencorajamento e, com isso, acabar com a motivação que leva ao mau comportamento.

A partir desses conceitos, a disciplina positiva desenvolveu várias ferramentas para uso diário, como perguntas curiosas, elaboração de rotinas onde todos colaboram, escolhas limitadas e muitas outras (são mais de 30) que podem ser escolhidas de acordo com cada situação.

Como mãe, pediatra e educadora parental recomendo a disciplina positiva para todos, pois é uma forma de educar eficaz a longo prazo e com soluções efetivas para o mau comportamento. Acredito que crianças educadas com os princípios da disciplina positiva crescerão adultos saudáveis emocionalmente, independentes, capazes, criativos, bem-humorados e felizes…e não é isso que buscamos para os nossos filhos?! Nosso mundo será melhor com pessoas assim!

 

Dra Marcela Noronha

 

Autora: Dra. Marcela Noronha – Pediatra, nefrologista infantil e educadora parental

 

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *