Criar está dentro do ser humano, todos somos criativos. Vamos te apresentar a importância de brinquedos criativos para o crescimento dos pequenos.Mas na infância essa criatividade se expande pela sala com uma certa sensação de desordem. Ela se expressa em tudo lugar, às vezes suja, muitas vezes parece que tudo virou bagunça. É a maravilhosa criatividade do seu filho.

Permitir o processo criativo das crianças é um desafio para nós adultos, que tentamos ajudar as crianças a serem responsáveis, ordenadas, coerentes e organizadas. Porém, precisamos permitir essa “desordem”, pois nela está a experimentação, a criação e a compressão profunda deste mundo. Valorizar a expressão da criatividade ajuda as crianças a procurar soluções, a fazer novas conexões, a inventar novos jeitos de se adaptar ao mundo e a se conectar com suas emoções.

A indústria de brinquedos criativos oferece opções atraentes com frases chamativas que nos convidam a ajudar nossos filhos a se desenvolverem, ganhar habilidades, a serem mais inteligentes, tudo em uma caixa só.

Atraente! Muitos pais e mães que querem fazer o melhor para seus filhos compram esses brinquedos criativos. E você percebe que seu filho pouco pode fazer com ele, pois o brinquedo é ativo e seu filho só interage com ele de um jeito. Até que vê outra maneira e o brinquedo quebra, e já não podemos fazer mais nada com ele. As casas estão cheias desses brinquedos quebrados que prometiam o desenvolvimento intelectual e motriz sem bagunça. E aí você observa a criança apaixonada pela prateleira com panelas, pelos copos com água e pelas pedrinhas da varanda.

Pensando nisso, então, qual é o melhor brinquedo? Muitos que nem parecem brinquedos e sobretudo aqueles que a criança é ativa e o brinquedo passivo.

Alguns materiais são fascinantes por não terem uma estrutura, eles ajudam a impulsionar a capacidade criativa das crianças, pois são materiais que expandem inúmeras possibilidades ao seu uso na brincadeira.

 

Os arcos de madeira podem ser túneis para carrinhos, pontes, prédios, rampas, barcos, e tantas outras.

O brincar é inato e fascinante na vida das crianças. Elas têm a capacidade de ressignificar objetos e criar uma brincadeira que não somos capazes de prever.

A criança usa o brincar para descobrir o mundo: para sentir texturas, pesos, a gravidade, os sabores, os mecanismos; e também para descobrir a si mesma: quanto seu corpo pode correr, quanto peso pode levar, quão alto pode chegar, quão forte ela é.
Brincar também para descobrir como é ser os outros: imaginar o mundo, construí-lo , se fazer de mamãe, de papai, de pasteleira, de doutora, de jardineira. Existe um espaço dentro disso tudo que é a imaginação e criação daquilo que não existe. É o artista interno saindo e se expressando no brincar simples e complexo ao mesmo tempo.

Nós adultos precisamos parar e observar o interesse da criança, nos voltar ao que é simples e abrir dentro da gente a nossa criança criativa para nos inspirar.

 

Dissemos que os melhores brinquedos criativos são aqueles que nem parecem brinquedos. Isso é o que chamamos de brinquedos não estruturados. Mas, o que eles favorecem no desenvolvimento da criança?

 

Habilidades exploradas pelos brinquedos criativos

1- Motoras: pois as crianças são ativas e manipulam os objetos de diversas formas com o corpo;

2- Emocionais: a criatividade está presente no hemisfério direito do nosso cérebro, junto com os sentimentos. Ativando a criação e a imaginação nos conectamos com nós mesmos e com nossa área sensorial e sensitiva. E as crianças que criam suas próprias brincadeiras tem um sentimento de satisfação, competência e autonomia;

3- Cognitivas: pois disponibilizar brinquedos sem estrutura prévia favorece o desenvolvimento da capacidade criadora. O fator imaginação é o mais importante e este terreno deve ser garantido. Quando uma criança exercita a sua imaginação, ela cria novas conexões e lida melhor com problemas pois é capaz de imaginar novas soluções;

4- Sensoriais: pois é na exploração e na pesquisa de materiais para além do plástico que a criança vai aprimorando os sentidos. Materiais como feltro, algodão, madeira, metal, papéis e elementos da natureza promovem diversas sensações táteis e visuais. Além disso ampliam o repertório da brincadeira.

É sempre muito bacana observar crianças ativas que criam a partir do que não está pronto. Brinquedos criativos e materiais não são para hiperestimular e sim para satisfazer a curiosidade natural das crianças.

O que podemos oferecer de materiais e brinquedos criativos que ajudam a criança a exercitar a capacidade criativa?

Elementos da natureza, lanternas, objetos de cozinha, tecidos, massinhas, papéis, fitas, caixas, todo tipo de sucata (que não ofereça riscos), blocos de madeira, arcos de madeira, feltros e diversas outras coisas que vocês poderão encontrar, na natureza, em casa ou na loja PlayLab!

Autoras:

María Rozas é mãe, pedagoga e terapeuta. Criou a Flamingo Sour para auxiliar famílias nas alterações e mudanças geradas com a vinda do novo ser! Sua visão se baseia nas pedagogias Montessori e Pikler, mas especialmente com um profundo respeito à maternidade, sabendo que cada mãe é o melhor para seu filho.

Ingrid Grattoni é arte-educadora e pesquisadora da primeira infância. Compreende que a educação é um meio revolucionário de mudar o mundo e de ajudar pessoas em seu crescimento. Colabora com famílias e instituições não formais de ensino nos cuidados de crianças de 0 a 3 anos. Acredita que a consciência nos cuidados da primeira infância é essencial para a construção de um ser humano feliz e seguro

O que é o projeto Flamingo Sour?

Flamingo Sour nasce do sonho de ampliar a consciência nos cuidados da primeira infância. Os flamingos voam sempre em bando e assim é o espírito deste projeto, acompanhando o voo das famílias nos cuidados dos filhos (as) e ajudando a enxergar novos espaços e vivências dentro de suas casas.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *