criança brincando com um jogo de tabuleiro

Neste artigo discutiremos o sentido dos jogos de tabuleiro e o quanto eles são instrumentos valiosos ao agregar pessoas e possibilitar uma experiência de grandes aprendizagens.

A vida é como um jogo em que o tabuleiro é o planeta Terra, as peças são as mais diversas formas de vida, que se dão na relação que estabelecem entre si, emoções são vivenciadas, situações desafiadoras enfrentadas, criando variados acontecimentos!

Esta realidade é refletida nos jogos de tabuleiro, que são uma excelente maneira de lidar com a arte e a brincadeira da vida. Nesta situação o jogador se depara com algumas questões: o objetivo, as regras, os desafios. Mergulhar nesta experiência exige uma tomada de decisão que envolve uma série de habilidades.

É necessário traçar um caminho, uma metodologia, avaliar o contexto a cada novo cenário, a cada lance, se relacionar com os recursos necessários para chegar a um resultado, antecipar e planejar ações. Desta maneira, exige determinação, enfrentar dificuldades para concluir a tarefa e chegar até o fim.

A cada partida, na busca de superar-se e atingir sua meta, o jogador desenvolverá a memória, o raciocínio lógico matemático, cálculo de risco, capacidade de concentração, disciplina, estratégia.

Diferentes sentimentos são vivenciados durante as incertezas da trama do jogo, expressá-los, percebê-los e aprender a lidar com eles faz parte do processo: medo, alegria, tristeza, frustração, satisfação.

Algumas vezes é preciso renunciar algo com vistas a um objetivo maior. Outras vezes perder faz parte do processo, o importante é identificar e lidar com a frustração, assim como refletir qual a estratégia que não o levou ao sucesso, na busca pelo auto aperfeiçoamento.

Afinal de contas, aquilo que há de melhor é que neste encontro podemos nos conhecer melhor, assim como disse Platão: “Você pode descobrir mais sobre uma pessoa em uma hora de jogo do que em um ano de conversação”. Enquanto jogo posso entender melhor como o meu adversário pensa, quais suas estratégias e, a partir disto, refazer as escolhas de minhas ações. O que abre um espaço de troca em que cada um se constrói em relação ao outro.

Esta interação possibilita olhar para os outros enquanto jogam, desfrutar de sentimentos compartilhados e, até mesmo, desenvolver a empatia ao vibrar pelo sucesso de seus adversários.

Portanto, aproveite para jogar com os filhos, neste convívio você irá conhecê-los cada vez mais, pois vivenciará com eles a maneira como lidam com o jogo da vida, quais suas estratégias, como vivem a frustração, como olham para o outro, assim como, também, descobrirá habilidades pessoais e aprenderá com elas.

Existem vários tipos de jogos que você pode escolher de acordo com a idade da criança, segue alguns deles:

Xadrez: o objetivo é colocar o rei do adversário em cheque mate.

Dama: o objetivo é capturar todas as peças ou trancar o jogador adversário no tabuleiro.

Trilha: ao movimentar as peças nas linhas do tabuleiro formando trilhas, come as do adversário.

War: um jogo de estratégia de guerra.

Banco Imobiliário: cada jogador compra bairros e empresas.

Perfil: é preciso desvendar uma pessoa, coisa, ano ou lugar a partir das dicas dadas nas cartas.

Cara a Cara: através de perguntas, deve-se adivinhar a cara que coube ao adversário.

Imagem e Ação: cada jogador deve desenhar uma expressão para sua equipe adivinhar.

Vivam estes momentos de jogo, considerando o brincar pelo brincar, pela vontade de estar com o outro!

                                                    ” Vivendo e aprendendo a jogar

                                                       Vivendo e aprendendo a jogar

                                                       Nem sempre ganhando

                                                       Nem sempre perdendo

                                                       Mas, aprendendo a jogar”

                                                                                   Guilherme Arantes

 

Andrea JotaAutora: Andrea Jota, sou pedagoga, especialista em Gestão Pedagógica e Formação em Educação Infantil, atuo com crianças há mais de vinte anos. Acredito no protagonismo das crianças, na valorização e respeito às famílias e no diálogo como um caminho para a conscientização dos cuidados na primeira infância, na formação de sujeitos autores, capazes de transformar o seu entorno e de se realizar.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *