Medo na infância

criança assustada

Muitas vezes queremos ignorá-lo, fazer de conta que ele não existe, evitar ao máximo senti-lo, mas… ele existe. É uma emoção humana e um importante sinal de alerta para a nossa sobrevivência. Medo do lobo, do escuro, de ficar sozinho, de se machucar… São tantas as possibilidades.

Como lidamos com os medos que as crianças manifestam?
Como nos mostramos humanos, reconhecendo e aceitando os nossos medos?

Nós adultos também sentimos medo, reconhecê-los influenciará a maneira como enxergamos e lidamos com os dos nossos filhos. Primeiramente, é preciso um olhar atento para nós e para as crianças, lendo as suas ações e procurando compreender mais a fundo aquilo que elas comunicam com os seus gestos, com suas manifestações. A partir disto, assumir um papel de apoio e de mediador ao incentivá-las a encontrar maneiras de enfrentá-los.

Neste processo de aprendizagem é importante a construção do lugar de confiança consigo. O sentimento de amor é fundamental, ele permite a sensação de conexão quando nos percebemos sozinhos, o que nos ajuda a enfrentar nossas fraquezas.

Algumas dicas para lidar como medo e a construção da relação de segurança da criança.

• Não a force a entrar em contato com a situação que gera medo.

• Não use o medo como forma de educar, como punição.

• Valide a emoção.

• Acredite que seu filho é capaz de lidar e construir maneiras de enfrentá-lo.

• Apoie-o na busca desta construção, perguntando o que quer fazer para lidar com a situação.

• Cuidado para não transferir seus medos para o seu filho.

Quando o medo toma grandes proporções é importante avisar a escola e procurar ajuda profissional.

 

Andrea JotaAutora: Andrea Jota, sou pedagoga, especialista em Gestão Pedagógica e Formação em Educação Infantil, atuo com crianças há mais de vinte anos.

Acredito no protagonismo das crianças, na valorização e respeito às famílias e no diálogo como um caminho para a conscientização dos cuidados na primeira infância, na formação de sujeitos autores, capazes de transformar o seu entorno e de se realizar.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *