criança que recebe a mesada blog infantil

A mesada pode ser uma ótima ferramenta de educação financeira, se junto com ela vier a consciência necessária para se lidar com o dinheiro.

Imagine uma criança de 7 anos, que sem preparo algum recebe R$ 40,00 de mesada. Sem educação financeira a tendência é ela gastar todo o dinheiro (R$ 480,00 por ano), em coisas que em pouquíssimo tempo ela não dará mais valor.

Usar o dinheiro dessa forma, sem consciência, apenas para satisfazer vontades imediatas de consumo, pode acabar gerando um péssimo hábito financeiro por toda a vida adulta.

Para evitar isso é preciso explicar para a criança que o dinheiro serve para a gente cuidar de nós, dos outros e do planeta.

Ele é uma das formas como nós nos relacionamos com o mundo todo.

Através do dinheiro nós trocamos nossa energia vital por algo que precisamos para viver melhor, assim evoluímos como seres humanos e como sociedade.

Portanto, a forma como usamos o dinheiro sempre gera um impacto no mundo, esse impacto pode ser positivo ou negativo só depende das nossas escolhas.

Quanto mais sustentáveis forem nossas escolhas, mais prosperidade geramos a nossa volta.

Como esse é um tema recorrente, perguntei a várias mães o que elas queriam saber sobre a mesada, abaixo seguem essas perguntas e as minhas respostas:

Porque devo dar mesada aos meus filhos?

A gente aprende melhor a lidar com dinheiro, lidando com dinheiro.

Com a mesada a família pode aproveitar para conversar sobre conceitos econômicos que nortearam a experiências da criança na vida adulta (como a diferença entre preço e valor, o que é mais caro e mais barato,veja mais sobre isso neste outro post).

Outro poder da mesada é estimular a criação de futuros desejáveis, aprender a usar estratégias econômicas para atingir seus sonhos é libertador, e isso pode e deve ser ensinado na infância.

Quando começar a dar a mesada?

Não existe uma idade certa para isso, depende da dinâmica de cada família e da maturidade de cada criança.

Aqui em casa eu só comecei a dar mesada ao meu primeiro filho quando ele fez 14 anos de idade, pois foi com essa idade que ele começou a ter mais demandas independentes de dinheiro, ao sair com seus amigos.

Por volta dos 7 anos, comecei a dar um dinheirinho eventual para ele poder fazer pequenas compras (em viagens, passeios da escola) e depois na volta a gente sempre falava de como ele tinha usado o dinheiro, se tinha sobrado troco e o que seria feito com aquele troco.

Para crianças menores, entre 5 a 7 anos, ao invés de dar mesada é melhor trabalhar com semanadas para ela ter uma dimensão melhor da quantidade de dinheiro que vai dispor e o que pode ser feito com ele.

Outra dica bacana nessa faixa etária é usar jogos de mesada como esse abaixo:

Jogo da mesada

Qual o valor que devo dar?

O valor da mesada ou da semanada deve ser algo que faça sentido para as duas partes.

Na dúvida, comece com um valor menor e se necessário você pode ir fazendo ajustes.

Por exemplo, para o meu filho mais velho nós conversamos e vimos que normalmente ele saía uma vez por semana com os amigos e nesse passeio eles vão ao cinema e comem algo, então decidimos por um valor que cobrisse isso, no meu caso foi R$ 50,00 por semana, então eu dou a ele R$ 200,00 mensais.

Quando o valor desses itens subirem aí a gente senta para conversar e ver se dá para ajustar esse valor.

Antes de dar a mesada falei com ele para providenciar a carteirinha de estudante, assim ele pagaria meia entrada e lhe sobraria mais dinheiro para poder comprar um fone de ouvido, uma camiseta, um livro ou algo do seu interesse sem precisar mais pedir para mim..

Também estimulamos juntos que seria legal poupar 10% de tudo que ele ganhar em dinheiro daqui para frente e investir esse dinheiro para objetivos futuros.

Como definir valores para idades diferentes?

Meu filho mais novo tem dez anos e ainda não sentiu necessidade de uma mesada, mas no dia que ele pedir também sentaremos juntos para definir seu valor e obviamente teremos como referência o valor inicial do meu filho mais velho.

Nesse caso trabalharemos também com os dois o que seria um valor justo para todos nós, que não me sobrecarregue e que possa facilitar a vida deles.

Se eles precisarem de mais dinheiro eles sabem que poderão me pedir, mas se eu terei disponível vai depender do meu fluxo e do motivo do uso do dinheiro a mais.

Como explicar a importância de ter consciência na hora de gastar?

Eu gosto muito de fazer comparações do tipo:

Esse valor que você quer usar agora vai realmente cuidar das suas necessidades atuais e futuras?

O que você vai comprar vai causar um impacto negativo no meio ambiente?

Outra coisa é mostrar que se poupar o dinheiro agora, pode ter um ganho maior no futuro.

Introduzir conceitos de minimalismo e de sustentabilidade desde pequenos é fundamental, assim como aproximar da natureza o maior número de vezes possíveis, pois isso ajuda a dissipar a ansiedade gerada pela sociedade de consumo.

Quando o filho tem 13 anos, pode ser depositado na conta dele, em um cartão de dependente ou algo assim?

Sim, isso é ótimo, ele se sentirá super importante. Abri para mim e para meu filho de 14 anos contas no banco Inter, ele está feliz da vida com ela e eu também.

Transfiro para ele, todos os meses além da mesada, o dinheiro para ele almoçar na escola, o dinheiro para ele comprar algum material que precise da escola, isso facilitou muito a minha vida financeira e a dele, com o cartão do banco Inter ele pode inclusive sacar dinheiro nos caixas eletrônicos 24 horas.

 

 

Autora: Ana Munhoz -Empreendedora e educadora, especialista em educação econômica pessoal. Ajudo pessoas a se organizarem e a investirem melhor todos os seus recursos econômicos, para assim terem mais tempo para uma vida autêntica, criativa e sustentável.

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *